domingo, 1 de agosto de 2010

Oi. *cara de pau*


Férias: tempo


Então, ne. Férias. Não tinha mais desculpa para não postar.
O motivo é que ando sem muita inspiração. Criei esse blog por dois motivos: necessidade e curiosidade (nunca tinha exposto textos publicamente). A curiosidade eu acho que já matei, a necessidade eu não controlo. E, fato, também estava sem tempo.

Como alguns de vocês sabem, eu sou estudante de Engenharia Eletrônica e, amigos, esse fim de período foi um terror! Nunca me vi tão fudida atarefada. Só consegui ficar de férias semana passada, depois de passar por muitos tormentos.
Apesar de tudo isso, eu queria dizer que não gosto de férias. É, eu não gosto. Quando eu era criança eu gostava, agora não mais. E vou explicar porquê.
Quando eu era pequena, morava em prédio e era amiga de muitas outras crianças de lá. Então as férias eram a melhor época do ano, porque eu podia brincar em tempo integral, assistir TV (temos que pegar, pokemon!), organizar campeonatos de dominó e bolinha de gude (mas isso não vem ao caso) e dormir um pouco mais tarde. Enfim, guardo boas recordações desse tempo. Mas agora eu não faço nada. É só nerdar no computador, dormir e eventuais saídas para o cinema, casa de amiga ou alguma festa que provavelmente não vou me divertir.
Portanto, me perdoem os que reclamam do curto período de férias que teremos (as aulas na UFPE começam dia 11/08, ou seja, temos pouco mais de uma semana pela frente), mas pra mim está de bom tamanho. As duas semanas inciais são até boas, porque mesmo sendo um período ocioso, eu fico feliz de não me sentir culpada por não ter que estudar. (Sério. Às vezes me bate um sentimento de culpa, aí eu lembro que eu estou de férias e realmente não tenho nada pra fazer. Aí dá uma sensação de alívio indescritível. Traumas da faculdade).


Férias: erudição


Dessa vez, estou tentando aproveitar as férias pra fazer coisas que tinha vontade de fazer antes e não dava. Então fiz uma lista de, pelo menos, 10 filmes que eu tenho que assistir. A lista é a seguinte:

1. Clube da Luta
2. Magnólia
3. Quero Ser John Malkovich
4. O Homem Duplo
5. Up
6. Pulp Fiction
7. Whatever Works
8. O Declínio do Império Americano
9. Desconstruindo Harry
10. Monty Phyton e o Sentido da Vida

Já assisti alguns, inclusive que nem estão na lista, mas não vou dar nenhum parecer por enquanto. Vou assistir tudo e deixar um possível Top 5 como assunto para um próximo post.
Além dos filmes, também me comprometi a ler, no mínimo, dois livros.
O que estou lendo agora (o primeiro, ainda) é Coração das Trevas, do Joseph Conrad. Esse livro foi ponto de partida para o filme Apocalypse Now!, de Francis Ford Coppola.
Sabendo disso, achei o livro mais interessante ainda. Mas tenho que admitir que, logo no começo, eu quase desistia. Ele é um daqueles livros que o autor passa páginas e páginas descrevendo minuciosamente um ambiente, um sentimento, ou qualquer outra coisa que você provavelmente acha que já deu, já entendeu, não precisa disso tudo. Isso tende a tornar a leitura um tanto enfadonha.
Não sei, posso estar exagerando quanto a esse livro, sei que tem piores por aí (beijos, Proust!), tanto que esse incômodo acabou se desanuviando e eu fui pegando gosto pela leitura. Sério, apesar de tudo que falei, estou gostando do livro. Pretendo até baixar o filme de Coppola depois.


Férias: relações


Além de livros e filmes, eu também saio de casa de vez em quando (sério!). Nem que seja para a casa de alguma amiga, pra algum bar/restaurante. Então essa semana, quando estava indo para parada de ônibus, aconteceu uma coisa bem trivial, mas que me pôs pra pensar um pouco.
Entrei numa rua e, na outra ponta vi uma conhecida vindo na minha direção. Existem três tipos de pessoas que podem cruzar com você na rua:
1 - Pessoas amigas: nesse caso, é quase sempre uma surpresa boa. Você age naturalmente, pára pra conversar, talvez até mude seus planos por causa do encontro.
2 - Pessoas semiconhecidas (ou simplesmente desconhecidas): você sabe onde ela mora ou onde ela estuda, cruza eventualmente pela rua ou por algum corredor, mas nunca falou com ela. Talvez nem saiba seu nome. Quando cruzo com essas pessoas na rua, me desculpem, mas não falo. Sequer olho no rosto. Não sei se estou sendo mal-educada, mas é o meu jeito de lidar com a situação. Simplesmente continuo andando e finjo que nunca vi na vida.
3 - Pessoas conhecidas: esse tipo é o mais complicado, pra mim. Você já falou com essa pessoa, já teve algum convívio, nem que seja num passado remoto. Normalmente, são os amigos daquela sua grande amiga que tava na festa tal dia e até te deu carona, ou o carinha que estudou com você no ensino médio e você até já passou fila pra ele, mas isso tudo ficou lá no colégio. Vocês não se veem, não se falam, no máximo, tem ele no orkut.
Pois bem. Foi com esse último tipo que topei. E ela caminhava há uns 100 m na minha frente, eu acho. Vindo na minha direção. Eu nunca sei o que fazer.

"Será que finjo que não a vi e só dou um "Oi" quando chegarmos perto? Mas aí o que ficarei fazendo até chegarmos perto? Porque está evidente que já a vi. Não, não. Acho que vou olhar logo e dar um sorriso. Mas aí o que faço depois do sorriso? Faço cara de paisagem até chegar mais perto e trocarmos sorrisos amarelos junto com o inevitável "Oi" ou fico olhando pra ela desde já? Vai pensar que sou maluca, ou que estou dando em cima dela. Não, não. Mas que droga, vou cruzar com ela agora e não parei de olhar pro chão! Vou fingir que não vi mesmo."

- Oi, Aline. Tudo bom? *sorriso amarelo*
- Oi, hehe. *sorriso amarelo*

E então continuo andando como se aquilo fosse muito natural.
Outra coisa que me faz pensar é esse "Tudo bom?". Acho que 90% das vezes que escutamos ou dizemos isso, não estamos nem um pouco interessados em saber como a pessoa está mesmo.
Fico até imaginando num desses encontros fortuitos entre conhecidos, o seguinte diálogo:

- Oi. Tudo bom?
- Não, hehe.

Gostaria de experimentar isso algum dia só para ver a reação da outra pessoa.

6 comentários:

Traga a vasilha disse...

Bons posts, continue assim.
É o único blog que eu acompanho porque gosto, e não por educação a quem me pede pra eu ler quase implorando. :)

Dan Lima disse...

hduashsuad quase q eu parava de ler no meio, mas num é que começou a ficar interessante e eu fui ler até o final dashudasu, qlqr coisa tamos ai pra organizar campeonatos de dominó shdsad talvez isso mate a saudade de férias antigas =D

justwrappedupinbooks disse...

Nos tempos da faculdade eu não curtia muito as minhas férias porque isso significava ficar longe da minha ex-namorada (fico impressionado com o tanto de fofura que existia na minha vida nessa época), mas hoje eu sinceramente valorizo cada segundo das minhas férias como se fosse...sei lá...não sei descrever, ainda mais porque só em setembro tiro as minhas primeiras férias pós-faculdade...Mas pensarei em algo.

Tony disse...

Em Curitiba não há esse problema da conversa com os tipos, só rola papo com o perfil nº 1. Com os demais é um sorriso amarelo e ai de quem disser "tudo bem", a frase mais hipocrita do mundo, seguida de "tudo sim, e com você?", que até poderia ficar infinito se as pessoas fossem + divertidas. Vi 2 dos 10 filmes, e dos outros 8 há 4 na lista do que gostaria de assistir.

Livros, estou abraçado no mundo profissional que me cerca [e diverte], tenho lido poucas coisas doutras áreas; só nos Blogs mesmo... eu sempre arranjava uma ocupação, daí férias, na facul ou não, eram tempo usado. Mesmo pra fazer nada, pq fazer nada é tudo [a gente só aprende a dar valor de verdade pra isso quando fica muito tempo sem descansar].

SGantz disse...

Ah, você não conhece a música "Oi! Tudo bem?", do Garotos Podres. É linda, e trata bem disso que você falou! hahahah
http://www.youtube.com/watch?v=TE2HaPOlPCc

- OI tudo bem ?

...Fora o tédio que me consome 24 horas por dia
fora decepção de ontem a decepção de hoje
e a desesperança crônica no amanhã,
tenho vontade de chorar,
raiva de não poder,
quero gritar até ficar rouco,
quero gritar até ficar louco,
isso sem contar com a ânsia de vômito,
reação a tal pergunta idiota
...Fora tudo isso...
...tudo bem.

odesconhecid0 disse...

Comentando o texto relações:
Sei de um jeito que resolve facilmente essa questão: Começe a usar oculos escuros. Ajuda demais numa situação dessas.

Postar um comentário

 

Copyright 2010 Delírios Céticos.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.